Close

pandemia

CPI da Pandemia ouve vítimas da Covid. Assista

vítimas da pandemia

A CPI da Pandemia promove, desde a manhã desta segunda-feira (18), audiência pública com as vítimas diretas e indiretas da pandemia da covid-19.  Autor do requerimento, o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que a presença delas é “uma forma de se dar voz a milhares de outras famílias brasileiras que foram dilaceradas pela covid-19”. Leia também: Após mais de um ano de pandemia, decretos ainda são questionados por quem não quer cumprir medidas sanitárias Conforme proposto pelo requerimento do parlamentar, os convidados representam as cinco regiões do país: * Norte: Mayra Pires Lima, enfermeira de Manaus. Perdeu a irmã, que deixou quatro filhos, por conta do colapso no fornecimento de cilindros de oxigênio em Manaus, no início deste ano. Ela teve que assumir a responsabilidade dos quatro sobrinhos. * Nordeste: Giovanna Gomes Mendes da Silva, de 19 anos. Perdeu a mãe e terá a guarda da irmã de 10 anos, sendo a nova chefe da família; * Sudeste: Kátia Shirlene Castilho dos Santos. Perdeu pai e mãe. Ela acompanhou a mãe em sua internação na Prevent Senior, em São Paulo, e o tratamento com base no “kit covid”; * Sul: Rosane Brandão. Perdeu o marido, que era servidor da Universidade Federal de […]

Como a pandemia afetou a vida de policiais no Brasil em 2020?

Mariane Rodrigues Policiais civis e militares do Brasil morreram mais pela Covid-19 do que por mortes violentas. É o que aponta levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nessa quinta-feira (16). A pandemia comprometeu a operacionalidade das polícias, devido aos centenas de milhares de afastamentos em decorrência da doença. Leia também: Juventude masculina e negra. Veja perfil da violência letal no Brasil, segundo o Fórum de Segurança Pública De acordo com o 15º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, ao todo, 716 policiais morreram em 2020 e os motivos variam desde confrontos em serviço, confrontos durante a folga, suicídio, e a covid-19. Em cada quatro policiais civis e militares brasileiros um foi afastado do serviço em decorrência da doença provocada pelo novo coronavírus, o que equivale a 130.946 policiais afastados em algum momento da pandemia seja por confirmações da doença ou porque apresentavam sintomas. Dos 716 policiais mortos, 472 foram por causa da doença. “Embora as edições anteriores do Anuário Brasileiro de Segurança Pública tenham considerado que vitimização policial se refere a mortes em razão de confronto, por lesões não-naturais ou por suicídio, a comparação com as mortes por Covid-19 é importante para destacar mais um aspecto da tragédia brasileira […]

Após mais de um ano de pandemia, decretos ainda são questionados por quem não quer cumprir medidas sanitárias

Por Mariane Rodrigues O deputado estadual do Ceará, André Fernandes (Republicanos) se recusou a cumprir o decreto estadual de Pernambuco, que proíbe a circulação de pessoas nas praias, como medida para evitar aglomerações e conter a disseminação do coronavírus. Em Alagoas, parlamentares criticam o governador, Renan Filho, porque viaturas da Polícia Militar retiraram banhistas da praia do Francês, no Litoral Sul alagoano. A pandemia do coronavirus existe há mais de um ano. Em tão pouco tempo, já tirou a vida de cerca de 400 mil pessoas. São milhares de famílias enlutadas e as mortes continuam, em meio a uma vacinação lenta. A ocupação de leitos emite a informação de que as medidas restritivas devem permanecer. E dentre essas medidas estão: uso de máscaras e álcool em gel e o distanciamento social. Em Alagoas, por exemplo, as praias são fechadas aos finais de semana, período em que esses locais atraem mais pessoas. Assim como em Pernambuco. Em julho de 2020, um desembargador em Santos foi flagrado andando sem máscara na praia, em pleno lockdown. Ao ser abordado, humilhou os guardas municipais, chamando-os de analfabetos, deu a famosa carteirada, e rasgou a multa por descumprir medidas sanitárias. Já é superada a discussão, […]

Por que, mesmo como testemunha, Pazuello ganhou direito de ficar calado na CPI?

Por Mariane Rodrigues O depoimento do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, é um dos mais aguardados pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). Ele será realizado na próxima quarta-feira (19). Pazuello irá depor na qualidade de testemunha, mas ganhou o direito de permanecer calado, quando julgar necessário, após decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski. Leia também:  “Depoimento de Wajngarten foi o que mais fragilizou governo”. Veja balanço da CPI da Pandemia até agora Mas se o ministro é testemunha e toda testemunha, seja em inquérito policial, ou em CPIs, têm a obrigação de responder às questões e falar a verdade, por que foi dado a Pazuello o direito ao silêncio? O ex-ministro da saúde responde a dois inquéritos criminais, que apuram responsabilidades de agentes públicos. Um deles foi instaurado pelo Supremo Tribunal Federal, e que depois desceu para a jurisdição de primeiro grau quando ele saiu do cargo, e o outro foi ajuizado pelo Ministério Público Federal do Amazonas. Todos eles estão relacionados diretamente à condução da Pandemia pela Ministério da Saúde na gestão de Pazuello, incluindo o colapso da saúde no Amazonas no início do ano, o qual também é objeto de investigação da CPI […]

“Depoimento de Wajngarten foi o que mais fragilizou governo”. Veja balanço da CPI da Pandemia até agora

Por Mariane Rodrigues O ex-secretário de comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, é aquele que, literalmente, entrou de “gaiato no navio”. Ele não seria chamado para depor à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia, mas foi demandado por falar demais, depois de uma entrevista concedida à Veja. Até o momento, conforme afirmou o presidente da CPI Omar Aziz, foi o depoente que trouxe informações mais relevantes que fragilizam o governo: um documento que aponta que a Pfizer tentou acordo para compras de vacina com o Brasil, mas foi ignorada por diversas vezes pelo governo brasileiro. O doutor em  Ciência Política, Ranulfo Paranhos concorda que o depoimento de Wajngarten foi aquele que mais comprometeu o presidente Jair Messias Bolsonaro, até o momento. “A fala do representante da Pfizer foi muito importante, mas Wajngarten acho que fragilizou mais o governo, abriu mais brechas para esses pontos frágeis. A presença do Carlos Bolsonaro [nas reuniões de tratativas da vacina], a carta confirmada pelo representante da Pfizer, a tentativa dele [Wajngarten] de fazer uma gestão paralela da pandemia, em tentar entrar em contato com o representante [da Pfizer]. Passando por cima do ministério, ele se complicou muito. O depoimento dele foi enviado […]

CPI da Pandemia: bate-boca, ofensas e pedido de prisão, veja como foi o depoimento de Wajngarten

Mariane Rodrigues com Agência Senado O depoimento do ex-secretário de comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, à CPI da Pandemia, foi o mais caloroso até o momento. Ele ocorreu durante todo o dia desta quarta-feira (12) e teve desde pedido de prisão, até ofensas entre os senadores e acusações de que mentiras estavam sendo proferidas nos depoimentos. Leia também:  -Pandemia: os caminhos que o Brasil percorreu até chegar aos 400 mil mortos -Lockdown pode ser comparado a Estado de Sítio? Para Bolsonaro, sim – O que disse Mandetta em depoimento à CPI da Pandemia? As perguntas ao ex-secretário de comunicação foram focadas na sua interferência para as negociações da venda de doses da vacina Pfizer. Ele foi chamado à CPI devido a uma entrevista concedida por Wajngarten à revista Veja no final de abril. Na entrevista, ele chama a equipe do Ministério da Saúde de incompetente e que por isso houve atraso na entrega das vacinas. Clique aqui e veja a entrevista. Pfizer  Wajngarter confirmou na CPI que a Pfizer enviou uma carta a seis autoridades brasileiras no dia 2 de setembro. Wajngarten confirmou que a carta falava sobre a oferta de vacinas, mas segundo ele, eram “500 mil […]

Pandemia: os caminhos que o Brasil percorreu até chegar aos 400 mil mortos

Por: Mariane Rodrigues O Brasil atinge mais um recorde nas estatísticas da pandemia do novo coronavírus. E ele não é nada animador. São 400 mil vidas a menos no maior país da América do Sul, 400 mil pessoas que não tiveram a oportunidade de serem vacinadas, 400 mil pessoas vítimas de um combate ineficaz da doença. Leia também: Lockdown pode ser comparado a Estado de Sítio? Para Bolsonaro, sim Baseado em publicação do livro da Fiocruz – Os impactos sociais da covid-19  no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia – o Ponto de Análise preparou uma linha do tempo  dos acontecimentos desde o surgimento do vírus, até a situação atual. No livro da Fiocruz, os doutores em saúde pública e coletiva, pesquisadores da Rede Zika de Ciências Sociais e do Observatório da Covid-19, Flávia Thedim, Ester Paiva e Gustavo Corrêa Matta,  relembram os caminhos percorridos pelo Brasil de janeiro a dezembro de 2020 para o enfrentamento da pandemia. Negacionismo, incentivo ao tratamento precoce baseado em medicamentos não comprovados cientificamente, colapso no sistema de saúde, aumento exponencial de mortes por coronavírus, atraso nas negociações de vacinações. Veja os principais acontecimentos que trazem o recorte sobre o Brasil no enfrentamento da […]

CPI da Pandemia: saiba as ações marcadas para a próxima semana

Por: Mariane Rodrigues A primeira reunião após a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito -CPI da Pandemia – ocorreu nesta quinta-feira (29) e os parlamentares já definiram o cronograma de trabalho a ser realizado a partir de terça-feira (4). Serão ouvidos os ex-ministros e atual ministro da saúde e o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Saiba mais: Renan Calheiros vira protagonista de sessão que instalou CPI da Pandemia. Veja momentos Na terça-feira (4) serão ouvidos os ministros Luís Henrique Mandetta e Nelson Teich, que estiveram no Ministério da Saúde no início da pandemia, em 2020. Na quarta-feira (5), será a vez do ministro Eduardo Pazuello, o “gargalo” do Governo Federal, que esteve à frente do ministério no pior momento da pandemia, quando ocorreu o colapso da saúde no Amazonas. Já na quinta-feira (6), a comissão irá ouvir o depoimento do atual ministro da saúde, Marcelo Queiroga e o presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres. Depois desses depoimentos, a comissão vai ouvir, na outra semana, o ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal, Fabio Wajngarten. Em entrevista à Revista Veja ele afirmou que houve “incompetência” e “ineficiência” de gestores do Ministério da Saúde nas negociações […]

Renan Calheiros vira protagonista de sessão que instalou CPI da Pandemia. Veja momentos

Os governistas até que tentaram, mas não conseguiram barrar que o senador alagoano Renan Calheiros (MDB) fosse para a relatoria da Comissão Parlamentar de Inquérito mais importante que já passou pela casa: a CPI da Pandemia. Uma decisão em primeiro grau da  2ª Vara Federal Cível do Distrito Federal havia impedido que o emedebista fosse relator, no entanto, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região  (TRF-1) derrubou a liminar e o senador foi escolhido pelo presidente da comissão, Omar Aziz. A instalação da CPI da Pandemia foi realizada nesta terça-feira (27), em sessão que durou cerca de cinco horas. Duas delas precederam a votação e foram voltadas aos debates. O foco das discussões foi Renan Calheiros, que é tido como opositor do Governo Federal, um dos alvos da CPI. Para os governistas, Calheiros é suspeito para relatar a CPI, porque é pai do governador de Alagoas, Renan Filho (MDB-AL), já que estados e municípios também serão investigados pela comissão. Disputaram a presidência Omar Aziz (PSD-AM) e  Eduardo Girão (Podemos- CE). O primeiro foi eleito pelos membros da comissão, juntamente com Ranfolfe Rodrigues (Rede-AP), que é o vice-presidente da CPI. O presidente escolheu Renan Calheiros. Eduardo Girão se candidatou à presidência […]

Lockdown pode ser comparado a Estado de Sítio? Para Bolsonaro, sim

A pandemia do novo coronavirus que começou há um ano fez os estados brasileiros tomarem medidas restritivas que nunca haviam sido adotadas no século XXI. Uma palavra, então, ficou muito conhecida entre os brasileiros: lockdown. Ou, bem abrasileirado: isolamento social. A ciência afirma, desde 2020, que além do uso de máscara, somente o distanciamento social seria capaz de conter, ou ao menos, minimizar a disseminação do vírus. Isso enquanto a vacinação não é executada em massa. Todos os países do mundo têm adotado lockdown como medida principal de contenção do vírus. Por aqui, em terras brasileiras, o presidente Jair Messias Bolsonaro tem questionado e criticado tal medida, comparando-a com Estado de Sítio. Ele chama de abuso as ações dos governadores de fechar serviços não essenciais, proibir aglomerações e restringir a locomoção da população. Isso é estado de defesa. Estado de Sítio, que só uma pessoa pode decretar: eu  – Jair Messias Bolsonaro Chegou a entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) contra os governadores da Bahia, do Rio Grande do Sul e contra o Distrito Federal, que adotaram o lockdown. Em “erro grosseiro” – palavras do ministro Marco Aurélio – quem assina o documento da ADI é o próprio […]